Escolha outra tripulação


Enviado pelo correspondente Zik Sênior

Sem todas as cartas náuticas e um Plano de Navegação bem detalhado, navio nenhum segue ao mar. A singradura pelos oceanos foi mais aleatória no tempo dos grandes descobrimentos europeus. Contudo, há muitos comandantes que ainda teimam em redescobrir o planeta às cegas. Possuem uma espécie de esquizofrenia da dominação.

Rochedos, falésias escarpadas e recifes submersos estão cada vez mais próximos dos navios cegos. Os ventos são fortes e as ondas atingem a 8 metros de altura. O navio brasileiro está desgovernado na entrada da enseada, quase sem tripulantes que saibam como navega-lo.

Um quadro simplesmente assustador

Um quadro simplesmente assustador

Tripulantes mais religiosos preferiram se jogar ao mar. Mas, ainda assim, a tripulação continua inoperante. O comandante sequer consegue segurar o manche, que dirá dirigi-lo. Desconhece as posições do leme e para onde elas conduzem o navio.

O desastre pode ser iminente se não conseguir apoio da tripulação. Porém, ela está a promover lutas intestinas, motins à bordo; criar comissões de conselheiros e forças-tarefa para tentar descobrir o que está a acontecer no retorno da viagem da eterna exploração dos recursos do país.

A maioria quer participar desses grupos de discussão, mas a burocracia exasperante impede que, em curto e médio prazos, sejam criadas quaisquer comissões e forças-tarefa formais. São processos doentes de salvação que, neste navio, demandam anos para serem implantados, enquanto, a cada segundo, ele mesmo naufraga de forma inexorável.

Ademais, como se ainda não bastasse, gangues de tripulantes promovem investidas e saques aos cofres de ouro da embarcação. Acreditam que vão sobreviver ao inapelável naufrágio. Por sinal, o comandante só pensa no novo navio que espera capitanear no futuro. O povo está revoltado e vai encarcerar o comandante criminoso.

A situação prevista para passageiros e tripulantes

A situação prevista para passageiros e tripulantes

Para a população que aguarda o desenlace em terra firme o quadro é de grande desolação. Curiosos, familiares e amigos dos passageiros e tripulantes à bordo do “Navio da Desgraça” nada podem fazer, a não ser apostar que certos indivíduos serão salvos, quem sabe alguns de seus familiares.

É possível ver que grupos de comerciantes armam barracas para promover venda de sucos e sanduíches aos que assistem ao naufrágio. Também começam passeatas e críticas fortes ao comandante e sua tripulação. Lê-se faixas com dizeres ofensivos, não raro esdrúxulos.

O belo navio parece que está a tombar. Gritos, correrias e furtos se sucedem. Resta cuidar da renovação completa dos navegadores desastrados. Estes nunca mais deverão singrar nossos mares.

Bateu e naufragou! Este foi o “comando” do navio

Bateu e naufragou! Este foi resultado do “comando” do navio