Noroeste do Iran está a tremer


Noroeste do Iran está a tremer

Ontem, 11 de agosto de 2012, desde as 9:00, em Brasília (12:00 GMT), até o fim da tarde, houve uma sucessão de sismos na região noroeste do Iran, ou próxima ao Azerbaijão ou, com menor probabilidade geológica, da Armênia.

Ocorreram onze terremotos em um pequeno intervalo de tempo (cerca de oito horas), variando desde 4 Graus até 6,4 Graus na escala Richter, ou seja, de moderados a fortes. Todos esses eventos ambientais sucederam em baixa profundidade – no máximo, a 10 km da superfície da litosfera.

Os sismos foram motivados por choques e aproximações da crosta terrestre, entre a Placa Eurasiana e uma parte da Placa Africana, denominada Pequena Placa Iraniana.

Provável região dos terremotos ocorridos no Iran

A Litosfera

A geologia do planeta Terra não é simples de ser explicada. Seus cientistas, sempre que podem, tornam-na um pouco menos difícil para o entendimento dos leigos.

A Litosfera é definida como a camada sólida mais externa de qualquer planeta rochoso, constituída, obviamente, por rochas e solo. No caso específico da Terra, é formada pela crosta terrestre do planeta e por partes do seu manto superior, que se situa logo abaixo da sua crosta.

É um dos três espaços físicos da Terra que, ao lado da Hidrosfera e da Atmosfera, nas suas relações com o espaço biótico estabelecem suportes à vida dos seres, constituindo a chamada Biosfera [a qual conceituamos como Ambiente].

A litosfera, composta por rochas ígneas, sedimentares e metamórficas, cobre toda a superfície da Terra, desde o cume do Evereste até às profundas Fossas Marianas. É natural e expressivamente dinâmica, alterando-se diariamente desde a origem do planeta. Mas, sobretudo pela ação de processos internos, quais sejam, das falhas e dobramentos das rochas que proporcionam a formação de montanhas e vulcões.

Referência: Wikipédia, acessada em 11/08/2012.

Placas tectônicas

Uma placa tectônica é qualquer porção da litosfera limitada por zonas de convergência, zonas de subducção e zonas conservativas.

Mapa das placas tectônicas da Terra

Zonas de convergência são áreas em que as placas tectônicas se encontram frontalmente, consequência de choques confrontantes. Tais movimentos acontecem em função diferença de calor e pressão, fazendo com que as placas, que flutuam sobre o manto terrestre, se movam. Como resposta ao atrito em tais áreas, verifica-se não só uma profunda instabilidade sísmica como também, em muitas oportunidades, a presença de fendas inter-tectônicas (interplacas) que possibilitam o extravasamento do magma para a superfície da crosta terrestre.

Uma zona de subducção ou de depressão tectônica é uma área de convergência de placas, onde uma delas desliza atritando por debaixo de outra. As zonas de subducção são áreas onde as placas descendentes parecem desaparecer sob placas que emergem. Este movimento provoca a fusão parcial do manto abaixo e induz o vulcanismo. Um exemplo é encontrado na costa chilena, quando as placas de Nazca e Sul-Americana em movimentos de subducção causam os maiores terremotos do planeta.

Segundo a teoria da Tectônica de Placas, as placas são criadas nas zonas de divergência, ou “zonas de rifte”, e são consumidas em zonas de subducção. É nas zonas de fronteira entre placas que se regista a grande maioria dos terremotos e erupções vulcânicas.

Hoje são identificadas 52 placas tectônicas na Terra, sendo 14 Placas Principais e 38 Pequenas Placas.

Referência: Wikipédia, acessada em 11/08/2012.

Pedimos aos geólogos que nos seguem uma revisão do texto, bem como a explicação do que significam as “zonas conservativas” que limitam placas tectônicas.