Seção da “Comicidade” ou O Ambiente da Comicidade


Seção da “Comicidade” ou O Ambiente da Comicidade

Assim passa a ser criada a seção “O Ambiente da Comicidade” ou simplesmente “Comicidade”. Nela vamos chorar juntos pela vergonha da essência política do país, pela decadência de parte de nosso “povo” e, mais do que tudo, da maioria dos políticos brasileiros. Mas, entrementes, precisamos sorrir e gargalhar pelo elevado nível de ridículo implantado no país, neste século.

O sangue latino, sem qualquer merda de “alma cativa”, é íntimo da hipocrisia. Nós, latinos, assistimos a aberrações e desvios da ordem mínima requerida por um Estado Racional. E o quê fazemos em resposta? Ou fazemos nada, permanecendo calados, ou tentamos promover “passeatas populares” que sempre dão em coisa alguma (P.N.). Em outras palavras, fazemos nada para nada acontecer que corrija os caminhos políticos que vêem sendo trilhados pelas locomotivas do poder instalado.

Diante disso, verificamos que tratar comicamente o quadro político irracional brasileiro talvez seja uma alternativa mais inteligente. Certamente, ganharemos mais críticos e adeptos. E, com certeza, nenhum vassalo, porque não desejamos intimidade com os “escravos analfabetos políticos da submissão”.

Aguardem para breve algumas postagens “cômicas”. E com certeza, não apenas sobre a “comicidade política”.

O ícone desta seção será, evidentemente, um triste palhaço, que desejamos alegrar através da mais pura sinceridade, por mais inóspita e grosseira que eventualmente possa parecer.

Afinal, não somos Palhaços!

O ambiente que constrói a mentira e o mentiroso


Dizem certos psiquiatras que uma pessoa adulta conta, em média, três mentiras diárias. Vamos admitir que essa estimativa seja correta. Ao fim de um ano teremos 1.095 patranhas registradas no taxímetro cerebral do mentiroso. Porém, muitas vezes a pessoa sequer se dá conta que acabou de “enganar”, respondendo a uma simples questão de educação:

─ “Tudo bem com você?”.

E a pessoa responde automaticamente:

─ “Sim, tudo bem”, embora nada esteja bem.

Um dos símbolos da mentira

Em nosso entender, a mentira tem alcance e efeitos bem maiores do que este mero hábito de seres humanos. E pode trazer consequências nefastas para diversos indivíduos, inclusive aos próprios mentirosos.

Pregar uma mentira requer no mínimo a competência de um bom escritor de ficção, que cria personagens, relações interpessoais, processos de estórias estapafúrdias, com resultados de aparência verossímil, mas nunca verdadeiros. Dessa forma, a mentira pode ser o esconderijo para graves crimes cometidos por vários mentirosos.

O ambiente

Quando se oferece um espaço para que uma criança cresça, os responsáveis devem estar em alerta com o quê semearão neste espaço e, em consequência, no seu pequeno cérebro, que desde cedo cresce alimentado pela colheita diária que realiza. Se cérebro fosse igual a pomar seria ótimo: plantam-se bananeiras e colhem-se cachos de bananas. Mas, não é bem assim que eles funcionam.

Cérebros em crescimento percebem imagens e sons do ambiente, gravando sensações e experiências que lhes deixam marcas indeléveis e permanentes. No futuro, já quando adultos, estas marcas serão capazes de comandar suas atitudes e comportamentos. Resta saber qual foi o sentido (positivo ou negativo) das mesmas e seus resultados no cérebro de cada um.

Belíssimas imagens podem causar transtornos

Até mesmo imagens suaves, consideradas como primorosas e magníficas pela maioria das pessoas, podem causar sérios transtornos nas atitudes e comportamentos de indivíduos mal costurados biologicamente.

Quem sabe se mentirosos violentos não são produto de fatores genéticos irrevogáveis. Afinal, grandes músicos, pintores e escritores que fizeram a história cultural do planeta, o foram.

Os mentirosos políticos

Há séculos que é muito difícil imaginar como foram produzidos os mentirosos que atuam na política de qualquer país. O Brasil do século 21 tem-se parecido com um pomar de vigaristas políticos (nascem aos cachos), embora boa parcela da sociedade não veja no ato da mentira política um problema maior. Ao contrário, considera sinal de esperteza, “perfeitamente justificado pela ajuda que poderá proporcionar a familiares e companheiros”.

De acordo com o Procurador Geral da República, Dr. Roberto Gurgel, em sua recente fala no Supremo Tribunal Federal, os cachos de mentirosos políticos são verdadeiras quadrilhas, organizadas com a finalidade estrita de praticar uma grande quantidade de crimes econômicos e financeiros contra o Estado Brasileiro e, sobretudo, contra seu povo.

Esperamos e acreditamos que o STF, no uso de suas atribuições e de acordo com os princípios e ditames constitucionais, procederá com rapidez o julgamento adequado desses personagens depravados de nossa política.

Conclusão

Temos pouca coisa a dizer e apenas endereçada aos pais mais recentes que têm um bebê para criar. O ambiente dele precisa ser silencioso, sem ruídos extravagantes, e o mais simples possível: sem a presença de muitas cores e penduricalhos. A aparência e o requinte de exageros não ensinam a realidade que vão encontrar em sua vida.

Acreditamos que agindo assim os pais reduzirão as chances de estímulos comportamentais danosos. No mais, desejamos ao novo herói da família que a herança genética lhe seja boa e grata.