Homens de esparadrapo com dedos cobertos de vôlei


Íamos escrever a respeito da seleção brasileira masculina de vôlei, daí a escolha do título deste artigo. Realmente, ganhando ou perdendo, o time capitaneado por Bernardinho é “pra lá de fabuloso”. Se não estivermos enganados, já foram campeões mundiais oito vezes consecutivas. Octa-Campeões Mundiais de Vôlei, não é fácil. São, sem dúvida, homens de esparadrapo com dedos de vôlei.

Uma seleção que compete em nível internacional precisa dominar várias habilidades básicas, denominadas “fundamentos“: saque, passe, levantamento, ataque, bloqueio e defesa. Para cada um destes fundamentos há técnicas que foram desenvolvidas ao longo dos mais de 40 anos de história do voleibol brasileiro.

A festa final brasileira, repetida várias vezes

Infelizmente, tivemos que abrir mão das boas intenções para homenagear nosso voleibol, por termos parado para assistir ao noticiário das 22:00 horas, de ontem. E é claro que a notícia mais importante foi sobre o início do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) do escândalo político que ganhou mundialmente o asqueroso nome de “Mensalão”. Nome esse que tenta mostrar, com ironia, que inúmeros políticos brasileiros parecem ter recebido “mesada mensal” para votar no Congresso de acordo com os desejos impostos pelo principal partido do executivo. Caso seja um fato comprovado, a isso dá-se o nome de “campeonato de delinquência e corrupção“.

Mas qual não foi nossa surpresa ao assistir na televisão dois ministros do STF, durante a sessão de abertura do julgamento, batendo boca sobre como deveria seguir o processo judicial. Vejamos bem, um escândalo descoberto em 2005 e enviado, pela Procuradoria Geral da União, para ser julgado pelo STF desde 2006, chamando os réus de “quadrilha do crime organizado” ou coisa que o valha. Em 2012, sete anos depois, há ministros que ainda insistem em discutir a organização do próprio processo!

Mas, o resultado foi bom para a sociedade brasileira: dois votos a favor do desmembramento do processo e NOVE votos contra.

O que nos chama a atenção é o fato dos fundamentos políticos serem parecidos com os do voleibol: saque (no banco), passe (para o bando), levantamento (de empréstimos), ataque (aos adversários), bloqueio (blindagem dos safados) e defesa (ataque à moralidade e à ética esperadas pela sociedade).